P R I N C Í P I O S

O cooperativismo assenta em 7 princípios fundamentais, a partir dos quais leva seus valores à prática:

1. Adesão livre e voluntária

As Cooperativas são organizações voluntárias abertas a todas as pessoas aptas a usar os seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de cooperadores, sem discriminação social, racial, política ou religiosa e de género.

2. Controle democrático pelos cooperadores

As cooperativas são organizações democráticas controladas pelos seus cooperadores os quais participam activamente, no estabelecimento de suas políticas e na tomada de decisões. Homens e mulheres, eleitos como representantes, são responsáveis para com os cooperadores. Nas cooperativas singulares os cooperadores tem igualdade na votação (um sócio um voto); as cooperativas de outros graus são também organizadas de maneira democrática.

3. Participação económica dos cooperadores

Os cooperadores contribuem de forma equitativa e controlam democraticamente o capital das suas cooperativas. Parte desse capital é propriedade comum das cooperativas. Usualmente os cooperadores recebem juros limitados (se houver algum) sobre o capital, como condição de sociedade. Os cooperadores destinam as sobras aos seguintes propósitos: desenvolvimento das cooperativas, possibilitando a formação de reservas, parte dessa podendo ser indivisíveis; retorno aos cooperadores na proporção de suas transacções com as cooperativas e apoio a outras actividades que forem aprovadas pelo sócio.

4. Autonomia e independência

As Cooperativas são organizações autónomas para ajuda mútua controladas por seus membros. Entretanto, em acordo operacional com outras entidades inclusive governamentais, ou recebendo capital de origem externa, elas devem fazê-lo em termos que preservem o seu controle democrático pelos cooperadores e mantenham sua autonomia.

5. Educação, formação (treinamento) e informação

As cooperativas proporcionam educação e treinamento para os cooperadores de modo a contribuir efectivamente para o seu desenvolvimento. Eles deverão informar o público em geral, particularmente os jovens e os líderes formadores de opinião, sobre a natureza e os benefícios da cooperação.

6. Intercooperação - Cooperação entre cooperativas

As cooperativas atendem seus cooperadores mais efetivamente e fortalecem o movimento cooperativo integrando e trabalhando em conjunto através de estruturas locais, nacionais, regionais e internacionais.

7. Interesse pela comunidade

As cooperativas trabalham pelo desenvolvimento sustentável de suas comunidades, através de políticas  colectivas e solidárias aprovadas pelos seus membros.

 

 

Os princípios cooperativos são diretrizes pelas quais as cooperativas aplicam os seus valores na prática do dia-a-dia, respeitando as iniciais da primeira cooperativa, dos Pioneros de Rochdale, desenvolveram-se e adaptaram-se ao presente séc. XXI, tendo sido aprovados em 1995,  pela ACI - Aliança Cooperativa Internacional.

Estes 7 Princípios Cooperativos, compreendem a definição e fornecem o impulso vital do movimento cooperativo em geral, lidando com as particularidades das diferentes personalidade e valências tricerebrais e adaptando-se ao mundo em que vivemos, mantendo a filosofia e a sabedoria inicial.

Desde as origens da humanidade que as pessoas compreenderam que se cooperarem com outras pessoas, ficam melhores, mais fortes e tudo se torna mais fácil, com melhores desempenhos e capacidades tricerebrais, sendo assim a base inicial que deu origem às primeiras sociedades primitivas, grupos tribais, aldeias e vilas cooperativas que sobreviveram, se adaptaram e souberam suportar todos os desafios até ao presente.